CBN - Cannabinol

julho 02, 2020 8 min de leitura

CBN - Cannabinol

  1. General
  2. Efeitos
  3. Utilização em medicina
  4. Sedativo
  5. CBN e CBD
  6. História
  7. Referências

General

Qualquer pessoa que já tenha analisado os diversos ingredientes da planta de canábis terá certamente encontrado o termo canabinol numa altura ou noutra. Cannabinol, ou CBN, é o nome de outro fitocanabinóide que, ao contrário dos seus homólogos relacionados, tem uma característica especial. Embora tenha as suas raízes dentro da planta de canábis, não é aí formado.

O CBN é criado através do processo de envelhecimento e da oxidação externa do canbinoide psicoactivo "tetrahidrocanabinol" ou THC, para abreviar, "tetrahidrocanabinol". A exposição ao oxigénio ou a exposição ao calor e aos raios de luz promove a quebra do efeito psicoactivo no processo. Quanto mais baixo for o teor de THC, mais elevado será o teor de CBN. Por esta razão, o canabinol só pode ser encontrado em quantidades muito pequenas em plantas de canábis frescas.

Tal como outros canabinóides, o CBN não é hidrossolúvel, mas sim lipossolúvel. É conhecido por ser uma molécula lipossolúvel, com baixos efeitos psicoactivos e só se liga fracamente aos receptores de CB1. Estruturalmente, o CBN liga-se às estações de acoplamento dos nossos receptores de CB2. A forma exacta como o CBN funciona no receptor CB2 ainda faz parte de testes em vários estudos.

Na Alemanha, o CBN não é abrangido pela lei alemã de narcóticos, a menos que seja proveniente da intoxicação da planta de cannabis. Além disso, a CBN não faz parte da "Convenção Única das Nações Unidas sobre Narcóticos de 30 de Março de 1961" [1] e da "Convenção sobre Substâncias Psicotrópicas". Isto faz da CBN uma preparação legal, especialmente para fins médicos.

Efeitos

Tal como o seu THC relativo, a dosagem de CBN é fundamental para alcançar os efeitos correctos. Isto também explica porque é difícil comparar o método de acção do CBN com o THC, apesar de ser um sucessor directo deste bem conhecido fitocanabinóide. Por exemplo, tomar o CBN em concentrações elevadas pode levar a sentimentos de exaustão. Este fenómeno contradiz as conclusões de um estudo que concluiu que os participantes no estudo melhoraram as suas capacidades cognitivas ao tomarem cannabis. Isto sugere que a CBN funciona como um antagonista de canabinóides como o THC. Uma contribuição importante é dada tanto pelos receptores de CB como por estes gostarem de se apropriar dos efeitos de muitos canabinóides.

Uma vez que a CBN parece ter uma melhor ligação aos locais de ligação dos receptores CB2, podemos tirar mais conclusões sobre possíveis áreas de utilização. Estes receptores encontram-se principalmente no sistema imunitário e são componentes importantes no tratamento de casos clínicos neuropáticos, bem como dores inflamatórias, doenças neuronais e neurodegenerativas.

Em combinação com outros canabinóides, diz-se que a CBN estimula o apetite.

Outros modos de acção são:

  • Sedativo
  • Analgésico
  • Antibacteriano
  • Anti-inflamatório
  • Antiespasmódico
  • Promoção do sono

    Os potenciais efeitos antidepressivos da CDB também foram testados com CBN, mas não puderam ser provados.

    Os estudos de fitocanabinóides ainda estão em curso e continuam a fornecer resultados novos e revistos. Uma vez que existe um potencial benefício médico em tomar NFC, a investigação sobre este fitocanabinóide ainda está, naturalmente, a ser levada a cabo.

    Utilização em medicina

    Embora muitos canabinóides se sobreponham e tenham semelhanças nos seus efeitos, cada um é único e oferece sempre um novo potencial terapêutico no uso médico para apoiar os processos de recuperação de forma eficaz e sustentável. Os processos de oxidação do tetrahidrocanabinol que dá origem ao "novo" canabinóide, o CBN, ocorrem através de uma alteração do perfil químico da flor, o que por sua vez provoca estas importantes alterações nas propriedades terapêuticas.

    Sedativo

    Os sedativos têm um efeito calmante e ansiolítico nos doentes. Ao mesmo tempo, podem reduzir os níveis de actividade, promover o sono, aliviar os espasmos e relaxar os músculos. Os sedativos são utilizados para pessoas com grande inquietação interior, trauma ou ansiedade.

    A Internet dá informações sobre o uso de CBN como droga sedativa. Para este efeito, são citados estudos onde o canabinol tem um efeito sedativo e calmante. Neste contexto, o canabinol é frequentemente colocado ao mesmo nível que o conhecido sedativo diazepam. Mas dificilmente há qualquer prova que sustente isto:

    O suposto efeito sedativo do CBN é provavelmente a sua característica mais conhecida. No entanto, não há muitos estudos que apoiem totalmente esta teoria.

    Isto pode dever-se em parte ao facto de muitos estudos e trabalhos científicos sobre a planta de cannabis terem estagnado durante décadas após uma proibição colectiva após os anos setenta e oitenta. A investigação ainda está ocupada com a falta de tempo e com a aquisição de conhecimentos sobre a planta de canábis versátil. Outra razão poderia residir na interpretação livre de um estudo que testou os efeitos em apenas cinco participantes masculinos depois de tomar a CBN.[2]

    Já em 1975, o CBN era testado em várias doses (0mg a 50mg) quando tomado oralmente em combinação com 25mg do canabinóide THC. O Cannabinol parecia modificar o efeito do THC nos sujeitos de teste. Os cinco homens sentiram-se mais afogados depois de tomarem a combinação e sentiram que os efeitos do "medicamento" eram mais perceptíveis em comparação com os efeitos do THC apenas. Em conclusão, poderia dizer-se que o CBN parecia aumentar o efeito do THC em alguns processos, mas apenas em pequena medida. O efeito sedativo do canabinóide consumido por si só não foi especificamente testado ou encontrado neste estudo. Portanto, poderia ser que o CBN acabou por apenas aumentar as propriedades do THC.

    Os estudos com animais também se debruçaram cedo sobre esta área e mostraram deficiências motoras em cães, adicionando 12mg ou mais de CBN canabinóide de acordo com o peso corporal.[3] Contudo, não foi demonstrado qualquer efeito amortecedor sobre o sistema nervoso central humano.

    Outra razão para a suposição de que a CBN tem efeitos sedativos nos seres humanos pode dever-se à observação do modo de acção das plantas de cannabis maduras. Como já descrito acima, estas têm uma maior proporção de CBN e têm um efeito sedativo aumentado. A questão crucial é se este fenómeno é atribuível unicamente ao canabinol. A ciência ainda não resolveu esta questão.

    Analgésico

    Os analgésicos são analgésicos, agentes farmacêuticos que aliviam a dor. É feita uma distinção entre analgésicos opióides e não opióides, uma vez que os dois grupos têm mecanismos de acção diferentes.

    Os analgésicos não opióides intervêm numa enzima muito específica, que é a enzima COX. Bloqueiam a produção posterior de prostaglandinas. Esta hormona local desempenha um papel crucial nas síndromes locais de dor.

    Os anestésicos à base de cannabis ligam-se aos receptores canabinóides do nosso sistema nervoso central. A partir daí, podem utilizar o sistema endocanabinoide para aliviar a dor e apoiar os próprios canabinóides do nosso corpo enquanto funcionam. Mesmo a dor crónica pode ser aliviada por acções sobre os receptores. A vantagem dos medicamentos à base de cannabis para o alívio da dor é, entre outras, que um nível constante de sangue pode ser mantido nos pacientes através de uma dosagem precisa.

    Segundo um estudo de 2002, a CBN pode aliviar a dor libertando endorfinas.[4] O THC também tem este efeito, que tem lugar através do centro de controlo da dor dentro do sistema endocanabinoide.

    Antibacteriano e anti-inflamatório

    Há muitas décadas que sabemos que vários fitocanabinóides têm um efeito antibacteriano. Já na década de 1950, os canabinóides vegetais eram utilizados para lidar com doenças infecciosas microbianas como a tuberculose. Mesmo antes disso, foram feitas tentativas iniciais em casos de tuberculose na Índia com canábis, que tiveram lugar no final do século XIX.

    Suspeita-se que a alta concentração de ácidos gordos polinsaturados, principalmente no óleo de sementes de cânhamo, é uma parte essencial desta situação. O corpo humano não pode produzir estes ácidos gordos de forma independente e depende de nós para os ingerirmos através dos alimentos. Além disso, as sementes de cânhamo fornecem a quantidade ideal (3-4: 1 equilíbrio) de certos ácidos gordos ómega que o corpo normalmente necessita. Estes ácidos gordos, ómega-3 e ómega-6, são necessários ao organismo para doenças inflamatórias porque ajudam a regular os processos inflamatórios.

    Portanto, o canabinol tem os requisitos ideais para as propriedades antibacterianas. De facto: o canabinóide relativamente desconhecido, juntamente com outros quatro fitocanabinóides testados, mostraram resultados promissores num estudo científico de 2005 sobre germes de MRSA, que são particularmente perigosos, multi-resistentes e resistentes a antibióticos, germes hospitalares.[5] Estes germes multi-resistentes, também conhecidos como superbugs, estão a aumentar nos hospitais e lares de idosos e, segundo uma análise da OCDE, poderão custar a vida de mais de 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo até 2050. A recuperação bem sucedida é difícil porque os germes podem alterar a sua composição genética e criar resistência após o contacto com antibióticos. Os custos estimados atingem os milhares de milhões e representam 10% do orçamento total para lidar com as doenças infecciosas na luta contra os germes resistentes.

    Por esta razão, cientistas de Londres, Rovigo e Novara em Itália descobriram que os fitocanabinóides podem ser eficazes no combate a estes super-insectos altamente resistentes. O CBN foi classificado como particularmente eficaz com os fitocanabinóides tetrahidrocanabinol (THC), canabigerol (CBG), canabidiol (CBD), canabicromeno, ou CBC.[6]

    O CBN, juntamente com os outros quatro canabinóides testados, mostrou o maior sucesso, particularmente nas bactérias que tinham desenvolvido resistência à penicilina antibiótica.

    Embora este estudo também seja promissor na luta contra agentes patogénicos perigosos, o estado actual da investigação ainda se encontra na sua fase piloto. Neste momento, ainda é incerto como é que o CBN irá realmente matar os perigosos germes de MRSA.

    Antiespasmódico

    Não é segredo que os canabinóides são verdadeiros "all-rounders" quando se trata de actuar sobre o sistema endocanabinoide. Sem surpresas, o canabinol ainda tem um ás na manga para ajudar com espasmos. Em Janeiro de 1974, foi publicado um artigo sobre um estudo "Life Science" que relatou testes em animais.[7]

    Os cientistas submeteram ratos a choques eléctricos máximos para investigar o efeito directo dos três canabinóides vegetais tetrahidrocanabinol (THC), canabinóide (CBD) e canabinol (CBN). Este foi tomado como soro fisiológico, entre outros. Todos os três fitocanabinóides testados tiveram um efeito anticonvulsivo. A duração máxima da acção foi de cerca de duas horas e o canabinol mostrou os resultados mais passivos de todos os três.

    CBN e CBD

    Cannabinol e canabidiol têm semelhanças, mas diferem significativamente nos seus modos de acção. Ambos os fitocanabinóides são ansiolíticos, relaxantes e até anti-epilépticos. Embora a CBD não tenha efeitos psicoactivos sobre os consumidores, a CBN mostra muito pouco destes. Os dois também têm estruturas químicas diferentes. Portanto, não são de todo idênticas. Quando começam a trabalhar no sistema endocannabinoide, não têm medo de mostrar estas diferenças. A CBD dificilmente funciona nos receptores CB1 e CB2 do nosso sistema imunitário e nervoso. Em vez disso, o fitocanabinóide actua para equilibrar as funções fisiológicas do corpo (homeostase). A CBN, por outro lado, mostra afinidades fracas em ambos os receptores.

    História

    Já no final do século XIX, o canabinol foi isolado da planta de canábis como o primeiro fitocanabinóide de sempre. O químico britânico Robert Sidney Cahn, que mais tarde editou o Journal of the Chemical Society, estudou a estrutura do canabinóide na década de 1930. Não demorou muito até que a síntese química nos laboratórios dos Estados Unidos e Grã-Bretanha se realizasse.

    Em 1963, o pioneiro da canábis e professor universitário israelita de produtos naturais e química farmacêutica, Dr. Raphael Mechoulam, fez a primeira descoberta sobre os diferentes modos de acção dos numerosos fitocanabinóides. Esta descoberta lançou as bases para importantes estudos sobre a planta de canábis e estes ainda estão em curso.

    Depois de uma lei ter sido aprovada pela primeira vez no Novo México em 1978, que foi utilizada para investigar substâncias controladas para fins terapêuticos, Raphael Mechoulam fez outro avanço no seu trabalho científico nos anos 80. Ele testou o efeito atenuante da CDB em ataques epilépticos aos participantes no teste.[8] Após quatro meses, uma análise dos testes clínicos mostrou que metade dos sujeitos teve uma redução significativa na frequência dos ataques, enquanto a outra metade não teve mesmo ataques epilépticos. Através disto, o Dr. Mechoulam confirmou que o canabinóide CDB podia ser utilizado como hipnótico para fins médicos e terapêuticos.

    Referências

    [1] https://www.admin.ch/opc/de/classified-compilation/19610057/index.html

    [2] https://www.karger.com/Article/Abstract/136944

    [3] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7029731

    [4] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2503660

    [5] https://pubs.acs.org/doi/10.1021/np8002673

    [6] https://www.worldcat.org/title/cannabis-health-index-combining-the-science-of-medical-marijuana-with-mindfulness-techniques-to-heal-100-chronic-symptoms-and-diseases/

    [7] https://www.researchgate.net/publication/18399501_The_anticonvulsant_activity_of_cannabidiol_and_cannabinol

    [8] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7413719

    Deixe um comentário

    Os comentários serão aprovados antes de serem apresentados.


    Visualizar o artigo completo

    CBGV - Cannabigerivarin
    CBGV - Cannabigerivarin

    julho 03, 2020 9 min de leitura

    Visualizar o artigo completo
    THC - tetrahydrocannabinol
    THC - tetrahydrocannabinol

    julho 03, 2020 11 min de leitura

    Visualizar o artigo completo
    CBD - Cannabidiol
    CBD - Cannabidiol

    julho 03, 2020 11 min de leitura

    Visualizar o artigo completo

    Junte-se à nossa newsletter para obter um presente de boas-vindas gratuito