CBGV - Cannabigerivarin

julho 03, 2020 9 min de leitura

CBGV - Cannabigerivarin

  1. General
  2. CBGV e CBD
  3. A CBGV e seus efeitos
  4. CBGV para doenças de pele
  5. A CBGV como medicamento contra o cancro
  6. CBGV para epilepsia
  7. CBGV para doenças oculares
  8. CBGV para distúrbios da bexiga

General

Os receptores CB1 e CB2 são encontrados em todo o sistema de endocanabinóides e desempenham diferentes funções. Estas incluem a regulação do apetite, a necessidade de dormir e sensações físicas como a dor. Portanto, os fitocanabinóides podem ser significativos para muitas doenças que têm sido resistentes a outros métodos.

Como a maioria de seus parentes, o CBGV puro não tem efeitos psicoativos.

Mesmo com este genoma de canábis, que é classificado como ácido canabinoide, os pesquisadores encontraram possíveis áreas de uso da CBGV em procedimentos médicos com canábis[1]. As cepas de maconha com um conteúdo aumentado de CBGV, por exemplo, têm um efeito anticonvulsivo e são, portanto, de interesse para vários métodos para lidar com a epilepsia. Mas mais sobre isso mais adiante neste artigo.

Entretanto, a tarefa mais crucial da CBGV parece ser a de apoiar outros canabinóides. Aparentemente, é possível que a CBGV aumente os efeitos do conhecido canabinóide CBD e ajude na ligação aos receptores no sistema endocanabinóide.

Naturalmente, níveis mais elevados de CBGV são encontrados em plantas de canábis no noroeste da Índia e no Nepal. Na maioria das plantas, o CBGV ocorre apenas em pequenas quantidades.

Até agora, só podemos especular sobre os benefícios dos fitocanabinóides nas plantas. Pensamos que a CBGV tem efeitos vitais, por exemplo, actuando como insecticida e um aumento da resistência a várias doenças.

Como um canabinóide pouco conhecido, as pesquisas atuais e significativas sobre os efeitos da CBGV são limitadas. Em geral, é considerada análoga ao canabigerol ou CBG, para abreviar, a CBGV. Isto significa que ambos os fitocanabinóides são semelhantes em sua conexão química, mas diferem em uma área. Quando se trata de CBGV e CBGV, esta diferença reside nos diferentes anéis de carbono.

CBGV e CBD

O canabinoide CBGV, atraindo um interesse crescente, é um derivado do canabigerol, ou CBG para abreviar. Nos últimos anos, esta molécula de planta de canábis ganhou a reputação de ser a fonte de todos os canabinóides. É claro, isto é metafórico. No momento, a CBD e o THC não são apenas prioridades máximas na pesquisa de canabinóides, mas também vêm da fonte molecular CBG. A CBGV é a química de base para uma ampla gama de canabinóides, incluindo tetrahidrocanabivarina (THCV), canabidivarina (CBDV) e canabichromevarina (CBCV).

Como muitos fitocanabinóides, o CBGV só tem efeito total após ser aquecido. Isto é chamado processo de descarboxilação. Ao aplicar calor e luz, a CBGV pode se converter em CBD. Uma grande vantagem é que o canabinóide é mais fácil de absorver e funciona mais facilmente dentro do corpo.

A concentração de CBGV tem um papel importante em seu método de ação. Além disso, o canabinóide claramente trabalha duro para ajudar a CBD na ligação aos receptores do sistema endocanabinóide. Portanto, muitos novos insights estão surgindo para possíveis usos de ambos os canabinóides. Até agora, estes não foram pesquisados.

A CBGV e seus efeitos

Ao analisar o efeito da CBGV sobre outros fitocanabinóides no ECS (sistema endocanabinóide), em geral, a CBGV relaciona-se com a CBD da mesma forma que o THCV se relaciona com o THCV.

Este canabinóide não-psicoativo não produz um efeito intoxicante. Contudo, a CBGV parece ajudar o fitocanabinóide psicoactivo THC a ligar-se mais facilmente aos receptores do sistema endocanabinóide. Além disso, a CBGV suporta o seu relativo canabidiol. Ele desempenha um papel fundamental no uso da CBD e liga-se aos receptores ECS correspondentes.

Isto significa que o canabigerivarin pode suportar os efeitos da cannabis medicinal ou até mesmo estimulá-los. Esta nova descoberta é benéfica para o cultivo de plantas de canábis. Se a CBGV conseguir aumentar ou prolongar o efeito intoxicante do THC, os níveis de CBGV disponíveis nas plantas podem ser aumentados através de um cultivo específico.

Os pesquisadores pensam que o CBGV pode aumentar a capacidade dos receptores celulares no ECS. Ainda não há esclarecimento final sobre se o CBGV pode estimular o processo metabólico da CBD e ser mais eficaz quando parte de uma preparação combinada.

No entanto, a capacidade do canabinóide de aliviar a dor já é conhecida.[2] Os efeitos analgésicos e anti-inflamatórios da CBGV podem beneficiar pacientes que lutam contra a doença reumática lúpus, artrite ou síndrome dolorosa, fibromialgia.[3]

CBGV para doenças de pele

Embora muitos canabinóides na forma clássica de óleo já sejam utilizados no cuidado da pele e para doenças de pele crônicas e sintomáticas, o CBGV é o único fitocanabinóide conhecido (junto com o CBG) que tem a rara propriedade de suavizar, melhorar e até mesmo cicatrizar a pele seca. Esta percepção foi obtida através de experimentos com sebócitos, glândulas sebáceas.[4] Em casos de acne, uma doença de pele comum, os cientistas têm tentado investigar um procedimento anti-acne através de medicação não psicotrópica. Embora todos os fitocanabinóides testados tenham efeitos anti-inflamatórios surpreendentes, os dados obtidos sugerem que o CBGV e o CBG podem ser usados para lidar com a pele seca (um sintoma clássico de neurodermatite).

A explicação é simples: A CBGV tem a capacidade de aumentar a produção de lípidos sebáceos basais. Como as pessoas envelhecem ou devido ao clima frio, esta produção de lipídios pode parar. As temperaturas frias também retardam nosso metabolismo, causando a contração dos vasos sanguíneos e restringindo o fluxo sanguíneo. Esta é uma reação de defesa do organismo à queda da temperatura para minimizar a perda de calor. As glândulas sebáceas da nossa pele reagem de forma semelhante. Elas restringem em grande medida a produção de lípidos, razão pela qual a barreira natural da pele na camada mais alta da pele, a camada córnea, se torna mais suscetível. Tal como uma parede de tijolo, a produção insuficiente ou mesmo inexistente de lípidos nas glândulas sebáceas faz com que a parede protectora se rasgue. A partir deste ponto, podem ocorrer defeitos cutâneos. Através deste processo, a nossa pele perde humidade, torna-se quebradiça, áspera ou rachada e é mais sensível ao ambiente. Os germes também podem penetrar na pele mais facilmente.

Um aumento da produção de lípidos é como substituir os tijolos em falta. O resultado é que a nossa pele fica mais saudável e menos seca e a nossa hidratação natural da pele é aumentada.

Os pacientes que sofrem de doenças inflamatórias da pele, por exemplo devido a dermatites, podem se beneficiar dos efeitos anti-inflamatórios do CBGV no futuro.[5] Os sintomas inflamatórios são frequentemente observados em distúrbios dermatológicos e podem manifestar-se como prurido, vermelhidão manchada da pele ou pústulas. Podem aparecer como inflamação aguda devido a influências externas, como radiação UV ou irritantes cáusticos, ou podem ser doenças crónicas, muitas vezes com surtos repentinos. Isto inclui, por exemplo, a dermatite generalizada. Muitos tipos de inflamação podem ser remediados pela destruição dos tecidos. Como parte do estudo, a CBGV, juntamente com outros fitocanabinóides, foi testada a sua capacidade de cura em doenças dermatológicas. Foi dada especial atenção para saber se os canabinóides podem reduzir a inflamação da pele. O CBGV revelou que apesar de suas propriedades anti-inflamatórias, ele influencia o marcador de inflamação interleucina-6, IL6 para abreviar, mas apenas em altas concentrações (acima de três μM). Através do Toll-Like-Receptor-3, ele finalmente desencadeia um aumento da liberação de IL6. Pesquisadores também descobriram no mesmo estudo que CBGV e CBDV trabalham juntos em concentrações precisamente coordenadas, mas geralmente baixas, para suprimir significativamente a expressão de citocinas, ou seja, as proteínas de crescimento e diferenciação das células. Estas proteínas são responsáveis pela transmissão da mensagem entre as células e pela transmissão do sinal. As células imunitárias também utilizam citocinas para agir sobre o cérebro e as glândulas hormonais.

O bloqueio das citocinas em excesso ajuda, portanto, o sistema imunológico sobrecarregado a voltar a um nível natural. As reacções inflamatórias param e a dor associada e o inchaço inflamatório da pele podem diminuir.

Portanto, o CBGV pode presumivelmente também ser usado como um medicamento em imunoterapia e como um remédio natural sem efeitos colaterais sérios para proteger o corpo de deficiências e ajudar a proteger contra substâncias inflamatórias mensageiras.

A CBGV como medicamento contra o cancron

Em 2013, cientistas da Universidade de St. George's de Londres publicaram descobertas sobre pesquisas em canabinóides não-alucinógenos como medicamentos para ajudar pacientes com câncer (pessoas que sofrem de leucemia).[6] Após a investigação e reconhecimento das propriedades inibitórias do THC, a equipe de pesquisa da Universidade de Londres, sob a direção do Dr. Wai Liu, obteve uma série de outros canabinóides da planta de cânhamo. Eles examinaram seis canabinóides individualmente e juntos como uma combinação para testar os potenciais efeitos anticancerígenos. O exame incluiu duas formas de CBD, duas formas de CBGV e duas formas de CBGV. O resultado foi espantoso. Cada um dos canabinóides testados teve os mesmos efeitos que o THC. Quando aplicados juntos em combinação, eles até mostraram uma influência aumentada nas células cancerosas do sangue. O CBGV mostrou ser um citostático e causou uma paralisação simultânea em todas as fases do ciclo celular.

Como o efeito alucinógeno é inexistente ou no máximo mínimo e as células cancerígenas podem ser perturbadas e impedidas de crescer, médicos e cientistas vêem um grande potencial a partir deste novo conhecimento. As células cancerígenas podem encolher e o desenvolvimento de metástases pode ser evitado. Alguns padrões de dosagem utilizados com estes fitocanabinóides permitiram até a autodestruição das células cancerígenas. Graças ao "efeito colateral" de alívio da dor, a CBGV oferece as circunstâncias ideais para pacientes submetidos à exposição a medicamentos, por exemplo, quimioterapia ou radioterapia.

Outra grande vantagem são os métodos baratos de produção destes novos medicamentos anti-cancerígenos.

Esses efeitos positivos estão liderando grupos de pesquisa em todo o mundo para continuar a explorar todo o potencial futuro dos canabinóides.

CBGV para epilepsia

Desde há muitas décadas que a planta de canábis é conhecida pelo seu puro efeito "elevado" como droga, a investigação sobre os canabinóides e os seus poderosos efeitos no sistema endocanabinóide ainda está na sua infância. Actualmente, existe apenas uma indicação inicial de que a CBGV poderia ser usada como um anti-convulsivo e um medicamento para aliviar as convulsões epilépticas. Até agora, a CBD está sendo mais amplamente utilizada para lidar com a epilepsia em crianças, especialmente na América. Isto é feito desde que a epilepsia do indivíduo tenha sido classificada como resistente a outros métodos. Este primeiro ensaio científico ocorreu durante um ano, de janeiro de 2014 a janeiro de 2015 e por um total de onze centros de epilepsia americanos diferentes [7]. Os resultados do estudo inicial mostraram que a CDB foi eficaz e bem sucedida na redução da frequência de convulsões epilépticas.

Além disso, a maioria dos participantes do estudo que eram crianças e adolescentes toleraram bem o fitocanabinóide não-psicoativo, apesar dos vários efeitos colaterais quando tomados oralmente.

Durante mais de 12 semanas de ingestão, as convulsões reduziram em média 36,5%. As maiores reduções foram observadas em pacientes com convulsões focais (focalizadas em uma área), seguidas de perto por convulsões atônicas, tônicas e tônico-clônicas. Todas estas são convulsões epilépticas generalizadas e caracterizadas por uma actividade eléctrica anormal no córtex.

Se os cientistas estiverem certos em sua teoria de que o CBGV pode impulsionar o metabolismo da CDB e, quando tomado em combinação, aumenta os efeitos da CDB, é muito provável que os pacientes com epilepsia sejam beneficiados.

Graças a vários estudos pré-clínicos, podemos verificar que a CBDV, um análogo do canabigerol, também tem um grande potencial como anti-epiléptico. As propriedades anticonvulsivantes do canabinóide parecem até funcionar independentemente dos receptores CB1, já que a CBDV (canabidivarina) só se liga fracamente a estes. Além disso, em concentrações micromolares, o CBDV pode inibir a absorção celular de anandamida, um dos endocanabinóides do organismo.

Embora não saibamos exatamente qual a função da anandamida no corpo, suspeitamos que esta "molécula da felicidade" assume um papel semelhante ao do THC no controle da dor, na promoção do apetite e na geração de sentimentos eufóricos.

Ainda não há conclusões conclusivas se a CBGV tem efeitos que vão além do suporte de outros canabinóides e podem produzir efeitos semelhantes.

CBGV para doenças oculares

Na Alemanha, cerca de meio milhão de pessoas sofrem de glaucoma. Uma das causas desta doença generalizada é o aumento da pressão intra-ocular, que resulta da drenagem deficiente do líquido lacrimogéneo no canto da câmara ocular. Isto pode até fazer com que os pacientes fiquem cegos sem ações apropriadas. O canabinoide CBG tem um bom efeito ao ajudar a drenar o líquido aquoso. O CBGV também tem sido usado com sucesso em combinação para lidar com problemas oculares, permitindo aliviar a pressão intra-ocular dolorosa. [8]

Isto acontece porque a CBG e a CBGV partilham métodos de acção anti-inflamatórios e antibacterianos.

CBGV para distúrbios da bexiga

Como a CBGV serve tão bem o seu parceiro CBG através da sua lealdade indispensável e é, portanto, um elemento valioso nos produtos medicinais, a CBGV também desempenha um papel na ajuda aos pacientes com problemas de bexiga.[9]

Depois de descobrir o canabinóide CBG nos anos 60, rapidamente se descobriu que tinha a capacidade de interagir com vários outros fitocanabinóides na planta da canábis.

Só em 2015 foi feito um grande avanço para os pacientes que sofriam de disfunções da bexiga. Em particular, estudos descobriram que a CBG pode ser útil para ajudar as bexigas hiperactivas (conhecidas como bexigas fracas) uma vez que pode diminuir a contracção da bexiga.[10]

Neste estudo, vários canabinóides não psicotrópicos foram testados em experiências com animais, incluindo CBG, CBD, THCV e CBDV.

A CBDV ficou no final da lista, que foi classificada de acordo com a eficácia, mas ainda mostrou efeitos de contratilidade em bexigas hiperativas.

A CBG foi o líder indiscutível. Isso não foi surpresa, já que o CBG pode inibir as contrações musculares. Portanto, é o candidato ideal para o procedimento preventivo da disfunção vesical.

Lista de fontes

[1] https://www.maximumyield.com/definition/4749/cannabigerivarin-cbgv-cannabis

[2] https://cannabisaficionado.com/cbgv/

[3] https://ionizationlabs.com/what-is-cannabigerovarin-cbgv/

[4] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27094344

[5] https://patentscope.wipo.int/search/en/detail.jsf?docId=US226135163&tab=NATIONALBIBLIO

[6] https://www.sciencedaily.com/releases/2013/10/131014094105.htm

[7] https://nyulangone.org/news/marijuana-derivative-reduces-seizures-children-young-adults-treatment-resistant-epilepsy

[8] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19112869

[9] https://pubs.rsc.org/en/content/articlehtml/2016/np/c6np00074f

[10] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26197538

Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem apresentados.


Visualizar o artigo completo

THC - tetrahydrocannabinol
THC - tetrahydrocannabinol

julho 03, 2020 11 min de leitura

Visualizar o artigo completo
CBD - Cannabidiol
CBD - Cannabidiol

julho 03, 2020 11 min de leitura

Visualizar o artigo completo
CBN - Cannabinol
CBN - Cannabinol

julho 02, 2020 8 min de leitura

Visualizar o artigo completo

Junte-se à nossa newsletter para obter um presente de boas-vindas gratuito