Como funciona o CBD?

CBD ou Cannabidiol é o principal composto ativo no cânhamo e ao contrário do THC, não é psicoativo, por isso não o deixa drogado. Como deve saber, dentro do corpo humano existe o sistema endocanabinoide, com receptores espalhados pelo cérebro e pelo corpo. O THC ativa os receptores CB1 e CB2, enquanto o CBD não estimula diretamente esses receptores.

Os receptores canabinóides estão envolvidos numa série de processos dentro do corpo humano, incluindo a regulação do humor, sensação de dor, apetite e memória. Esses receptores podem ser ativados pelos endocanabinóides (produzidos pelo corpo humano) e pelos canabinóides vegetais (como os encontrados no cânhamo ou droga), e são agrupados em duas principais categorias: CB1 e CB2.

Os receptores CB1 são encontrados principalmente no sistema nervoso central, e em menor número no fígado, rins e pulmões, enquanto os receptores CB2 fazem parte do sistema imunológico e também são encontrados nas células sanguíneas hematopoiéticas. O CB1 desempenha um papel na produção e liberação de neurotransmissores, produtos de cannabis que exercem efeitos psicoativos que estimulam esses receptores. Ao mesmo tempo, os receptores CB1 estão envolvidos no processo de lipogênese que ocorre dentro do fígado e parecem desempenhar um papel na manutenção da homeostase (equilíbrio interno do corpo). Vários estudos sugerem que o CB1 também influencia o prazer, a concentração e o apetite, a memória e a tolerância à dor. Os receptores CB2, por outro lado, afetam o sistema imunológico, estando envolvidos numa variedade de funções, como imunossupressão ou apoptose (morte celular programada). Estudos sugerem que o CB2 modula a sensação de dor e pode desempenhar um papel em várias doenças, desde problemas hepáticos e renais até doenças neurodegenerativas.

Como funciona o CBD e quais são os efeitos do CBD dentro do corpo?

O CBD não estimula esses dois receptores; em vez disso, ativa outros receptores, como os receptores vanilóides, adenosina e serotonina. Ao ativar o receptor TRPV-1, por exemplo, o cannabidiol desempenha um papel na mediação da temperatura corporal, percepção da dor e inflamação [6]. Então, o CBD inibe a enzima FAAH, um composto que ativa o receptor CB1. Ao fazer isso, o CBD minimiza a ativação do CB1 pelo THC, reduzindo os seus efeitos psicoativos.

A ativação dos receptores de adenosina pelo CBD dá os efeitos anti-ansiedade e anti-inflamatórios do cannabidiol. Os receptores de adenosina também estão envolvidos na liberação de dopamina e glutamato, dois neurotransmissores que desempenham papéis importantes dentro do corpo. A dopamina está envolvida nos mecanismos de cognição, controle motor, motivação e recompensa, enquanto o glutamato é um dos principais mediadores de sinais excitatórios, estando envolvido na memória, aprendizagem e cognição.

Foi demonstrado que altas concentrações de CBD ativam o receptor de serotonina 5-HT1A, exercendo efeitos antidepressivos. O mesmo receptor está envolvido numa série de processos, desde a percepção da dor, apetite, náusea e ansiedade até os mecanismos de sono e dependência.

O CBD bloqueia a sinalização CPR55, diminuindo a reabsorção óssea e a proliferação de células cancerígenas. O GPR55 está amplamente presente no interior do cérebro, estando ligado à modulação da densidade óssea e da pressão arterial, bem como à proliferação de células cancerígenas.

CBD bloqueia a ação psicoativa de THC, sendo esta uma das razões geralmente considerada vantajosa para combinar CBD e THC quando para fins de tratamento. No entanto, esteja ciente de que os efeitos positivos do canabidiol não dependem da presença do THC, portanto, ainda pode aproveitar os benefícios de saúde do CBD ao comprar produtos que contenham apenas CBD não psicoativo.

Junte-se à nossa newsletter para obter um presente de boas-vindas gratuito